A rua tem memória. Ação de rua da Gentalha do Pichel

P1070308

O passado 18 de julho a Gentalha do Pichel realizou esta ação de rua no 79º aniversário do golpe de estado com o que começou a Guerra Civil espanhola. Para elo escolheram três figuras representativas daquela barbárie em Compostela: As irmãs Ricart, Maruja e Corália, As Duas Marias; o presidente municipal republicano Ângelo Casal; e Eduardo Ponte Carrazedo, O Nécoras.

No interior do post mais imagens e o texto explicativo.

A rua tem memória porque a rua é do povo, e o povo lembra a sua gente.

Já passárom quase oitenta anos desde aquele nefasto 18 de Julho de 1936. Oito décadas desde que a barbárie, envolta na “rojigualda” e acubilhada sob a cruz católica, arrasou o nosso país a lume e ferro. Oitenta anos que som umha lousa que ainda hoje andamos a tentar tirar de cima.

Por isso é fundamental lembrar. Lembrar os factos e lembrar as pessoas.

Desta volta quigemos voltar a ter nas ruas quatro das vítimas daquela barbárie. Quatro que escolhemos entre os centos de vizinhos e vizinhas da nossa cidade que naquele 18 de Julho passárom a ser proscritos.

Pola Rua do Vilar voltará a passear o nosso Ángelo Casal. O derradeiro presidente municipal do período republicano. Quantas vezes teria passado por esta rua caminho da Imprenta Nós que regentava? Quantas vezes mais poderia ter passado de nom ter sido detido e passeado?

Na Rua das Hortas damos com Eduardo Ponte Carrazedo, O Nécoras. Na rua por onde seguro que tinha caminhado em inumeráveis ocasions quando ia ou vinha da sua morada no Campo das Hortas. Caminho que nom puido voltar a fazer porque houvo a quem a sua actividade sindical e o seu furibundo anticlericalismo lhe parecêrom motivos para decretar a sua morte.

E lá em cima, na Rua de Santa Clara podemos ver mais umha vez Maruja e Corália. Mui pertinho da casa na Rua de Baixo onde vivêrom toda a vida. A mesma casa aonde os esbirros do fascismo iam na procura de informaçom para poderem localizar, deter e assassinar os irmaos fugidos. Informaçom que nom saía das bocas das duas irmás. Umha mostra de firmeza e lealdade que as Fandinho Ricart pagárom com maus tratos e vexaçons sem fim.

Quatro histórias, quatro nomes, quatro pessoas que por um momento voltarám a estar nas ruas em que vivêrom. Porque a rua tem memória e lembra quem som os seus.

Advertisements

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair /  Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair /  Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair /  Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair /  Cambiar )

w

Conectando a %s